O fim do Profissional de Mídias Sociais: O Postador
O fim do Profissional de Mídias Sociais: O Postador

O fim do Profissional de Mídias Sociais: O Postador

Finalizamos, ontem, com chave de ouro, a série de vídeos sobre “Os Desafios da Produção de Conteúdo em Vídeo”. Se você não acompanhou, criei uma playl...

Inbound Marketing: nem tudo é conversão | JobCast 30
Marketing Digital: sua empresa pode estar perdendo mercado
Marketing Digital: reflita sobre sua participação no mercado

Finalizamos, ontem, com chave de ouro, a série de vídeos sobre “Os Desafios da Produção de Conteúdo em Vídeo”.

Se você não acompanhou, criei uma playlist no canal do blog, com os 10 episódios. Fiz também uma live no Facebook, para encerrar e poder fazer uma espécie de “resumão ”da série toda. Foi um bate papo bem legal.

Bom, mas, dando sequência aos conteúdos, porque a produção não pode parar, hoje inicio uma nova série de vídeos, um pouco polêmica, talvez, para falar sobre alguns pontos críticos na postura de muitos profissionais e entusiastas que estão inseridos no mercado de mídias sociais.

A proposta dessa série, não é, de maneira alguma, criticar negativamente o trabalho de ninguém. Muito pelo contrário, a série será elaborada, basicamente, em alguns – vários – erros que eu cometi ao longo da minha trajetória trabalhando com Mídias Sociais.

Assistam o primeiro episódio da série: a morte do profissional de mídias sociais e, se animar, abaixo sempre tem mais conteúdo em texto com a minha opinião sobre o tema abordado no conteúdo.


A Morte do Social Media: O Profissional Postador

Perfil comum – muito comum – atualmente. O postador é o tipo de pessoa que acabou de conhecer alguns novos recursos e possibilidades disponíveis pelo Facebook e, em uma bela manhã, acordou e decidiu que iria ser Analista de Mídias Sociais.

Quem dizer, Analista de Mídias Sociais já está ultrapassado. O termo mais usado hoje em dia é: Social Media. Profissional de Social Media. Ou, para ficar mais bonito, Analistas de Social.

O maior problema nesse perfil, analisando por uma ótica mais objetiva, é o fato deque esse profissional/entusiastas, na maioria dos casos, é preguiçoso.

Esse cara ouviu dizer que o mercado cobra X por Y posts por semana e, no final do mês, envia um relatório comprovando o trabalho.

Bom, na prática, isso acontece. É um fluxo operacional. Não há nada de errado.

O problema do postador é que ele parou por aí. O problema do postador é que ele acredita em preços tabelados e que se ele faz posts bonitos e entrega o que foi acordado apenas na operação, ele está fazendo o trabalho.

Eu fui postador na minha primeira agência (2012). Aprendi perdendo cliente. Um dos maiores e basicamente o cliente que sustentava a agência, quando esse cliente internalizou o trabalho.

Isso aconteceu em 2012, época em que não tínhamos 10% dos recursos e ferramentas disponíveis que temos hoje para provar o valor do nosso trabalho entregando resultados.

Quando eu fui perceber, eu estava fazendo um trabalho braçal, discordando do cliente e não estava apontando solução. Precisei começar a me mover e rever como eu estava trabalhando.

Autoavaliação profissional: esse foi o ponto principal no início da minha carreira com mídias sociais. Eu comecei, partindo das dificuldades de se empreender com Social Media/Mídias Sociais, a perceber que a gente só evolui quando sabe parar para ver onde nós estamos errando.

Se eu tenho uma dica para você, agora, é: tenha humildade para se autoavaliar e, principalmente, reconhecer quando o seu trabalho não está gerando resultados.

Só assim você vai amadurecer e vai conseguir sobreviver nesse mercado. Só assim você vai deixar de ser o postar e vai entrar pro jogo de verdade.

Vai sair da linha amadora e entrar pro campo de batalha profissional. Uma vez que você compreende isso, a boa (ou má) notícia é que isso é para sempre.

Você trabalha com pessoas. As pessoas mudam.

Se você se acomodar, o mercado vai se encarregar de te tirar do jogo.

COMENTÁRIOS