[Resenha] A Vaca Roxa

[Resenha] A Vaca Roxa

Tem certeza que você pode sobreviver fabricando os mesmos produtos para massas que passam despercebidas entre o resto? Seus serviços não têm nada de

Ativos do marketing de permissão
#BEHINDTHELEATHER: ONG PETA mostra o que tem por trás do couro de peças de luxo
[Como] colocar os seus conteúdos na frente dos leitores!

Tem certeza que você pode sobreviver fabricando os mesmos produtos para massas que passam despercebidas entre o resto?

Seus serviços não têm nada de especial e fazem parte desta loucura consumista sem as pessoas se sentirem apaixonados por eles?

Se é assim você está com um problema: seus serviços e produtos são medíocres, por mais que você deseje anunciar como a solução para os problemas das pessoas.

Se você quer se destacar do resto de seus concorrentes não se concentre em aparecer em todos os meios de comunicação, as pessoas aprenderam a desligar. Basta concentrar-se em fazer um produto extraordinário. Daqueles que fazem a história. Esse produto é a sua Vaca Roxa entre um monte de vacas medíocres onde nenhuma tem destaques. Só assim com o roxo, o seu produto, seu serviço terá destaque.

A Vaca Roxa – Seth Godin

Hoje trago-lhe um resumo de um dos últimos livros que eu li: A Vaca Roxa por Seth Godin. Foi lançado em 2002, é uma relíquia, consegui comprar a versão em inglês no Estante Virtual.

Este homem é um dos líderes de hoje no marketing do Século XXI. Ele é o autor de best-sellers de maravilhas como “Permission Marketing” e “Marketing Viral”. Atualmente, é considerado um dos grandes visionários do mercado.

Em A vaca roxa, Seth Godin quer mostrar que, para continuar no mercado, é necessário diferenciar-se, pois é a única maneira que você tem que lutar e vencer em um mercado hostil e cheio de produtos iguais. O ser humano já tem tudo, por isso ou você oferece algo diferente ou você terá que ir para o mercado das massas. Com uma morte assegurada antes ou depois.

Por que precisamos de uma Vaca Roxa?

O mundo mudou. Há muitas opções para escolher, mas cada vez há menos tempo de se desfazer. Este não era o caso há vinte anos. Naquela época, os consumidores tinham muito mais tempo e muito menos opções. Havia menos coisas com que se desperdiçar o salário, por isso, se apareceu uma empresa com um produto verdadeiramente inovador (um telefone celular, por exemplo), encontrávamos a maneira de pagar.

Hoje, a maioria das pessoas que compram o nosso produto pode nunca ouvir falar nisso. Há muitas alternativas que não são facilmente acessíveis aos consumidores através da mídia. As pessoas estão muito ocupadas, ignoram as mensagens, enquanto a concorrência está disposta a gastar dinheiro para manter a quota de mercado que tem que defender.

O último obstáculo que encontramos é a dificuldade para ativar redes ideavirus em mercados já saturados. Os comerciantes têm consumidores sobrecarregados com muitos produtos e as pessoas estão cada vez mais dispostas a mudar de assunto para falar sobre um produto para seus amigos, a menos que você tenha certeza que vai interessá-los. Isto é verdade não só para os produtos de consumo, mas também para as compras das empresas.

  • Os alvos óbvios se foram, por isso, é pouco provável que as pessoas tenham problemas fáceis de resolver.
  • É mais difícil atingir os consumidores, porque eles nos ignoram.
  • É menos provável que os clientes satisfeitos recomendem o produto para seus amigos.

TV marketing – Indústria

Neste trabalho maravilhoso Seth Godin mostra uma visão geral das técnicas de vendas que anos atrás tiveram um resultado fantástico. Hoje não funcionam.

Marketing de normas obsoletas (televisão, rádio, imprensa, etc.) não funcionam mais. Estamos em um período em que o consumidor está se tornando cada vez mais informado e mais engajados nos seus próprios problemas, não seus.

Um consumidor tão Intoxicado de publicidade que aprendeu a ajustar e selecionar aquilo lhe resolverá seus problemas. Pare com isso! Suas mensagens tornaram-se sem graça e padronizadas.

Como especialistas em Marketing, sei que os velhos métodos não funcionam mais. E nós sabemos o porquê: como consumidores, estamos ocupados demais para prestar atenção aos anúncios, ainda estamos desesperados para encontrar bons produtos que resolvam os nossos problemas.

Como é fácil abrir uma revista e ver uma lista de molho de tomate e que a frase diz: A inovação do paladar.

Como? Será que o paladar é inovação? Mas se isso é apenas molho de tomate!

Agora tudo é inovação, progresso e qualidade. Você acha que com um título como esse pode atingir seu público? Desde o molho de tomate até grampeadores são a inovação. Mas o que você está me dizendo? Vamos ser originais, invente uma vaca roxa e mostre ao seu nicho.

Ideavirus

Ele vai ensinar o conceito de Ideavirus. Essas ideias depois que são absolvidas pelas primeiras pessoas se espalham como fogo.

A marca registrada (ou um novo produto) não é mais do que uma ideia. Ideias que se espalham são mais propensas a terem sucesso. Eu chamo as ideias que se difundem de Ideavirus.

Ele usa o conceito de consumidores Otaku. Palavra japonesa que descreve algo que é mais do que um hobby, mas menos do que uma obsessão.

Estes são os consumidores de seus produtos (como os apaixonados por produtos da Apple), que têm um ardente desejo de torná-los capazes, que os fazem ficar dias e dias em filas de espera para adquirir um produto.

Estes são os transmissores que procuram seus serviços ou produtos, eles vão espalhar uma avaliação positiva, atingindo mais pessoas e permitindo que seus produtos se tornem um sucesso.

Marketing do extraordinário

Neste novo conceito de Marketing, Seth Godin investiga as novas estratégias a serem seguidas de tal e onde não há atenção saturada, como aconteceu na época do ambiente televisivo.

Ele explica a importância de detectar pequenos nichos de mercado (Cauda Londa) onde encontramos clientes que geram muito lucro e são capazes de transmitir a nossa mensagem mais viral e eficiente.

Os seus anúncios (e seus produtos) não devem ser direcionados para as massas, mas deve satisfazer os clientes que você escolheria se pudesse escolher seus clientes.

O caminho para chegar ao público é dirigido a um nicho, em vez de um amplo mercado. Como os consumidores melhoram a sua capacidade de ignorar os meios de comunicação de massa, eles param de trabalhar.

O marketing extraordinário como Seth Godin cita é baseado na criação excepcional. Pare de desperdiçar dinheiro em campanhas televisivas caras e dedique a criar algo que rompa corações.

É tão fácil como a criação de um produto ou serviço que seja novidade, que cria interesse, com foco em pequenos nichos (necessidades especiais) e assim extremamente atraente que faz com que as pessoas se voltem pra você quando o veem passar.

Os ciclos devem ser curtos, curtos o suficiente para responder ao mercado o mais rapidamente possível e variar seus parâmetros. Não adianta passar anos com um produto em laboratório se não tiver tomado uma versão Beta antes.

¿Note-se que todas as versões são agora Beta? É o ciclo de melhoria contínua. Nós nunca deixaremos de estar na posição Beta, se quisermos sobreviver.

A segurança é um risco

Seth Godin neste trabalho investiga ações “sem-vergonha”, como eu as chamo. São aquelas que incomodam alguns, mas criam um forte relacionamento com nossos clientes.

Nós fomos educados com uma falsa crença: erroneamente acreditamos que a crítica leva ao fracasso. A partir do momento em que entrou na escola, somos ensinados que se destacar é algo errado que leva à sala do diretor, não Harvard.

Para ele o chato leva ao fracasso. Não chamar a atenção o suficiente para torna-se consumido por pessoas suficientes para torná-lo rentável.

Você deve ser escandaloso para ser extraordinário.

Paixão não é necessária para criar uma vaca roxa ou muita criatividade. O que é necessário é a visão para perceber que, para crescer o seu negócio ou lançar o seu produto, você não tem escolha a não ser seguir a filosofia da vaca. Nada mais funciona.

Não há nenhuma boa razão para não fazer quase tudo o que fazemos. Quase tudo o que fazemos é o resultado de medo, inércia ou uma enorme falta de alguém que pergunte: “por que não?”.

Imagem: aubiz.org

COMMENTS

WORDPRESS: 5
DISQUS: