Planejamento editorial de conteúdo: por onde começar?
Planejamento editorial de conteúdo: por onde começar?

Planejamento editorial de conteúdo: por onde começar?

Dentro das estratégias de um planejamento para mídias sociais, o conteúdo é uma parte importantíssima – se não a mais importante, eu diria ̵...

Bate-papo com o D20inc | JobCast 45 (3/3)| JobCast 47
JobCast 45 | Bate-papo com o D20inc (2/3)
Planejamento Estratégico: a importância da pesquisa

Dentro das estratégias de um planejamento para mídias sociais, o conteúdo é uma parte importantíssima – se não a mais importante, eu diria – para  que você obtenha o retorno esperado, definido no período de atuação. No entanto,  não existe mistério. Existe estudo.

Pouca gente explora – quando explora – a definição estratégica correta de um calendário editorial na hora de distribuir a mensagem nas mídias sociais. Vamos ter em mente o nosso querido Facebook para prosseguirmos com o texto.

Dividir em tópicos e objetivos de ação, e distribuir as pautas em um calendário no excel, não necessariamente pode ser considerado um planejamento editorial de conteúdo.

Mas, calma, eu explico melhor.

Quando você distribuir as pautas de conteúdo de acordo com os objetivos estratégicos, focando apenas em períodos e datas, você tem “apenas” uma organização estrutural da demanda. É errado? Não.

Organização nunca é demais quando estamos falando de estratégia de Marketing de Conteúdo.

No entanto, e aqui aproveitando e tirando a dúvida da Camila, vou tentar pontuar de maneira resumida os primeiros passos antes de pensar na distribuição de conteúdo por si só. A dúvida está no vídeo e obrigado pela participação, Camila. 🙂

Planejamento de Conteúdo: os primeiros passos

O profissional responsável pelo planejamento editorial de conteúdo, precisa ter bem claro que antes de definir as estratégias de conteúdo para mídias sociais, é obrigatório que ele estude muito bem sobre o posicionamento de marca do cliente e qual a proposta de valor da marca que ele vai trabalhar, e como transferir isso para os objetivos de negócios esperados.

Um exemplo simples: você imagina um comercial da Heineken usando mulheres de biquíni, praia, sol e futebol? Provavelmente, não. Preconceito? Também não. O posicionamento de marca e proposta de valor da Heineken estão descontextualizadas com o ambiente, contexto e narrativa que eu exemplifiquei. Funciona da mesma maneira quando você produz conteúdo de qualquer maneira e ignora as três palavras de ordem: contexto, ambiente e narrativa.

Contexto, ambiente e narrativa: as três palavras de ordem de um plano de ação de conteúdo

Seu cliente até pode ser um cliente que não tem um posicionamento bem definido. Mas, o ambiente e a narrativa precisam ser claras e condizentes com os objetivos.

E agora vou citar uma frase que o Estevão disse em um hangout feito agora pouco que pode resumir as linhas acima: “Quem quer só vender, acaba não vendendo”.

Em outras palavras:  toda marca precisa estar presente e ser presente no cotidiano do consumidor, respeitando o ambiente e o contexto social ao qual está inserida. Se você só quer vender, sua marca se torna aquele cara chato que só fala de um assunto e ninguém mais aguenta ficar perto.

Seu planejamento de conteúdo precisa ser visto como uma tradução simplificada dos objetivos de comunicação do seu cliente para o ambiente digital.

É muito comum alguns profissionais, principalmente os que estão iniciando na profissão, se renderem às facilidades da rede e começarem a enxergar os sites de redes sociais de maneira “blocada”. Enxergar como uma ferramenta para um fim, e não como ambiente.

Toda rede social é um ambiente habitado por pessoas e é movida a comportamento humano.

Por emoções.

Ignorar o meio de atuação e pensar que é só publicar e patrocinar o conteúdo para ampliar uma determinada  mensagem, não é a melhor maneira de atuar com conteúdo para mídias sociais.  Na verdade, não é a maneira correta de se pensar.

Quando você planeja a linha editorial de conteúdo, e entende que muitos outros passos precisam ser dados antes de partir para o operacional, você consegue transmitir a mensagem de maneira mais madura e, com certeza, mais eficaz, dentro do contexto do seu cliente.

Planejamento editorial de conteúdo não pode ser engessado

Por fim, e completando os argumentos ditos no vídeo e nos parágrafos acima, vou deixar aqui uma dica simples e que também muitos ainda ignoram: o fato de pensar que está livre do plano editorial depois de feito e aplicado na ferramenta que mais lhe agrada.

A grande vantagem de antecipar um planejamento editorial de conteúdo e que você, além de organizado, vai ter total controle de ação sobre novas tomadas de decisões no meio do caminho.

Se você não planeja, qualquer movimento é válido, pois não sabe o que seria o ideal para os próximos períodos. Por isso, jovens padawans, planejem, organizem apliquem e se precisar, mudem TUDO.

Se você chegou até aqui, muito obrigado pela sua atenção e até o próximo conteúdo!

COMENTÁRIOS