A mudança no algorítimo do Facebook e a desinformação na rede

A mudança no algorítimo do Facebook e a desinformação na rede

A recente mudança anunciada pelo Facebook - que nem é tão recente assim -, sobre o algoritmo do news feed começar a privilegiar as publicações de am

Melhores horários para as mídias sociais?
LinkedIn Pulse: produza, não copie
O fim do Profissional de Mídias Sociais: O Postador


A recente mudança anunciada pelo Facebook – que nem é tão recente assim -, sobre o algoritmo do news feed começar a privilegiar as publicações de amigos e parentes com quem você mais se importa (anotem isso), tem gerado uma onda de desinformação gigantesca na internet.

Profissionais da área e até mesmo grandes portais de comunicação estão prestando o desserviço e contribuindo com a propagação desse exagero em torno da notícia. Não é a minha intenção aqui apontar dedos e nem muito menos desmerecer o trabalho de nenhum dos portais ou profissionais que ajudaram nessa propagação.

A gente sabe que essa conversa de redução de alcance orgânico nas páginas do Facebook sempre gerou dúvidas, e o debate já não é novidade alguma. Mas vamos ter maturidade e cuidado com que a gente propaga sobre o assunto.

Essa agilidade do pessoal compartilhar notícia errada, sem fontes e na base do achismo, muitas vezes apontando números que não coincidem com o que realmente acontece é papo antigo. Muitas vezes, por falta de informação. Muitas vezes por preguiça de pesquisar e buscar mais fontes e, no pior dos casos, por irresponsabilidade de abordar um tema que não deveria, apenas para gerar cliques e mais acessos.

Mas, então, o Facebook vai mesmo, com dizem por aí, reduzir mais o alcance orgânico do conteúdos da página da sua empresa? Não. Não vai. Vou tentar explicar de maneira simples e objetiva, sobre o que de fato vai acontecer, e como isso poderá impactar no seu trabalho. Ou na sua página. Chegou a hora de valorizarmos o profissional que realmente sabe do que está produzindo. E isso é algo bom.

A mudança do algorítimo: o foco é na experiência do usuário

A maioria das mudanças que o Facebook vem desenvolvendo ao longo dos anos, é para que o usuário tenha cada vez mais uma experiência agradável na plataforma e não sinta vontade de sair dela. Retenção é a palavra. A ideia é basicamente que as pessoas percam (muitos levam ao pé da letra) cada vez mais tempo na caixinha azul chamada Facebook. Digamos que isso também não é nenhuma novidade. É a premissa básica de qualquer meio de comunicação desde que a publicidade se entende por publicidade, e tem como objetivo a venda de espaço para empresas anunciarem. Não estou aqui para dizer que você não vai precisar se mover. Estou aqui para desmistificar a máxima e permanente falácia de que tudo que o Facebook anuncia é em prol de sempre fazer com que as marcas injetem mais grana.

A mudança no algorítimo: Audiência vs. Permanência

A retenção de audiência é um dos principais fatores trabalhados na plataforma ao longos dos anos. As pessoas não entram no Facebook para consumir um produto ou serviço, elas entram para usufruir do princípio básico de qualquer rede social: o relacionamento. Elas entram para ver a s fotos da balada da noite anterior. Elas estão ali para curtir o conteúdos dos amigos.  Sua empresa, normalmente, não será bem vinda na timeline do usuário até que você prove ao contrário. Mas como? Produzindo conteúdo que converse com o seu público.

Entender o posicionamento e tom de voz que a sua marca precisa levar para a rede é o primeiro e mais importante passo.

Por que vocês acham que as pessoas adoram páginas de besteirou como a do Dollynho? Porque elas gostam de consumir porcaria, ou porque aquele conteúdo que você julga porcaria despertou algum tipo de sentimento, e nesse caso, uma boa risada naquela pessoa?

Reflitam sobre isso: o que, de fato, vem a ser um conteúdo porcaria: o que não alcance ninguém ou o que despertam algum tipo de sentimento na pessoa. Com toda sinceridad do mundo, o que eu vejo muito por aí são profissionais de conteúdo estão produzindo conteúdo para outros profissionais. E este é o primeiro grande.

Vale uma análise de o que é porcaria e o que não é porcaria quando o assunto é produção de conteúdo para mídias sociais. Pode ser que o seu conteúdo, com layout impecável, seja porcaria aos olhos da sua audiência e, por isso, seu alcance não muda. Mas não vou me aprofundar nisso por agora para não perder o foco do assunto.

A mudança no algorítimo: Postador vs. Produtor de Conteúdo

A entrega do conteúdo até o feed de notícias do usuário é o último dos passos que você deve se preocupar. Se você criou algo, achou legal (ou seguiu ordens do cliente), e postou, você está apostando na sorte. E produção de conteúdo para mídias sociais não é sorte; é estudo. É análise. É entrega.

Dedique-se ao planejamento com empolgação para, primeiro, entender quem é a marca que você será o responsável pela produção de conteúdo. Entenda quem, e quais, são as suas personas. Entenda como você vai conseguir estabelecer um diálogo com o seu público.

A mudança no algorítimo: Conversa vs. Tom de Voz de marca

Entenda o tom de voz da sua marca. Estude sobre os tipos de conteúdo disponíveis e mantenha um cronograma de conteúdo alinhado com as estratégias, não só comerciais da marca, mas, tente estabelecer um cronograma que te facilitará na entrega e na análise de resultados. Sobre o problema, você já foi alertado; é o alcance. Ele não será cortado e nem reduzido, mas vai disputar ferrenhamente com as fotos da cachaçada do dia anterior ou com o Gif brilhoso que a sua tia te marcou enquanto jogava algum joguinho no Facebook.

E quando a gente fala sobre objetivos comerciais, o relacionamento também pode entrar em pauta na hora de reportar os resultados. No entanto, para isso, você vai precisar entender sobre os seus objetivos. E, cá pra nós, “likes. comentários e compartilhamentos”, apenas, qualquer um faz. Não seja qualquer um.Vamos focar em entender como vamos nos mover para manter um alcance relevante para as próximas publicações, ok?

Para finalizar, uma última dica: testes, teste e mais testes. Só assim vocês vão conseguir dialogar cada vez mais com a audiência que pretende, como se fossem amigos, e não como se fossem uma empresa. Ah, e também tem os recursos patrocinados que vocês podem usufruir. Mas, estes, fica para um próximo post. Se você quiser mais conteúdo sobre o assunto, o Estevão Soares, da estrategi.ca, fez uma live extremamente esclarecedora e você pode conferir, clicando aqui. Recomendo que assistam.

Grande abraço e até o próximo JobCast.

COMMENTS

WORDPRESS: 5
  • comment-avatar

    Sou seu fã, cara! <3

    • comment-avatar

      Grande Kadu! Valeu pelo comentário, amigo! A gente faz o que pode pra contribui com a rede, rs
      Feliz em saber que tem acompanho e curtido o projeto a ponto ode indica-lo no Meia Dúzia! 🙂

  • DISQUS: