Métricas de vaidade vs. Engajamento: Quem é a sua marca no ambiente digital?

Métricas de vaidade vs. Engajamento: Quem é a sua marca no ambiente digital?

Quem é a sua marca no ambiente digital? Essa é a primeira, e talvez mais importante,  pergunta que você deve se fazer antes propagar qualquer mensa

Os 7 mandamentos do marketing de conteúdo para as empresas B2B (ou não)
[Como] criar um plano de conteúdo para o blog da empresa
Marketing de conteúdo visual: 9 dicas para conquistar o coração do leitor

Quem é a sua marca no ambiente digital?

Essa é a primeira, e talvez mais importante,  pergunta que você deve se fazer antes propagar qualquer mensagem na internet, que esteja atrelada a sua marca. Qualquer mensagem que esteja diretamente ligada aos objetivos de negócios de uma empresa, seja qual for o segmento.

Entendo, perfeitamente, que a resposta para essa pergunta não é tão simples quanto parece e, que para se obter uma resposta pertinente a suas estratégias de comunicação, é necessário que dediquemos boas horas de estudos com o objetivo de lapidar a mentalidade dos gestores da empresa e, consequentemente, dos responsáveis pelo planejamento, gestão, elaboração e análise do seu plano editorial de conteúdo.

Métricas de vaidade podem ser considerada engajamento?

Como estamos abordando as métricas com foco em mídias sociais, vamos tomar como norte deste conteúdo, todas as métricas relacionadas a performance em mídias sociais. Pois quando o assunto é mensuração de métricas temos uma galáxias de outros indicadores que poderíamos abordar por aqui. Vamos focar nas métricas mais comuns das mídias sociais para exemplificar e dar ritmo no meu raciocínio.

No vídeo anterior eu abordei, também, as métricas de vaidade, defendendo, inclusive, a questão de elas sim, terem certo valor dentro da suas estratégias nas mídias sociais. Se tiver interesse em assistir pode ser um bom complemento para este conteúdo.

 

Por que não se deve confundir métricas de vaidade com engajamento

 Na minha opinião, o contexto reivindicou o trono do conteúdo já há algum tempo. Até porque eu sempre acreditei que ele fosse o merecedor de tal título. Sempre acreditei que o contexto fosse merecedor da coroa.  

Desde de que se fala marketing de conteúdo, muito se aborda produção e pouco se fala em contextualização da mensagem e da proposta de valores que o conteúdo deve fazer o papel.

Não quero generalizar, é claro, mas tenho visto uma onda de conteúdo sendo produzindo apenas para a captação de leads, e pouco sendo pensado em contexto de marcar e engajamento a longo prazo. OK, sei que temos no famoso funil do Inbound, o relacionamento, mas só isso, não basta.

Precisamos ir além de um funil.

Não tratar as pessoas como indicadores de performance já é um excelente começo para a sua compreensão, e busca da resposta da pergunta que você deve se fazer, dita logo no início do texto.

Partindo deste contexto, de que pessoas não pode ser tratadas como indicadores de performance, fica mais simples de entender o porque não se deve confundir métricas de vaidade com engajamento.

Ambos, mesmo que com pesos diferentes dentro da sua estratégia de conteúdo, tem o seu valor. No entanto, é sempre de grande valia ter um cuidado especial com o tal do comportamento do consumidor no ambiente online. Com o tal do comportamento humano.

As pessoas gostam de participar, seja com ou sem o objetivo de consumir.

Pra falar a verdade, consumir algo é a última coisa que a pessoa tem em mente quando está no Facebook, por exemplo. Ninguém gosta da sua marca até que você prove o contrário.

Na minha opinião, as métricas de vaidade, desde que extraídas de maneira segmentada, podem ser um excelente validador social para a sua marca. Ter muitos fãs é sim importante para uma marca, desde que você consiga trabalhar de maneira estratégia esses “fãs” (falei disso no último JobCast).

Fazendo uma analogia meio barata, imagine que eu precise lançar uma peça de teatro, ou um evento, e dentre os recursos que tenho para essa divulgação, claro, seria conteúdo no Facebook. 

Uma página com 300 likes seria menos passível de validação social que uma com 5.000 likes. Reconheço que, se esses 300 likes forem bem trabalhados, eles têm tamanha relevância que os 5.000. No entanto, estamos tratando aqui de validação SOCIAL.

As pessoas vão sim, julgar a sua marca pela quantidade de likes.

É a maneira com que elas vão dar credibilidade para sua peça, no caso da analogia feita aqui.

Resumindo: métrica de vaidade no ambiente digital é um excelente meio de validar a sua marca. E, claro, se eu tenho uma audiência ampla, terei mais possibilidades de trabalhar uma segmentação mais estratégica, pois posso ter direcionamentos diferentes com mais facilidade do que com audiência menor.

Resumindo tudo que eu disse: métricas de vaidade são excelentes validadores de imagem da sua marca. Mas só isso, não basta.


Prossigamos.

 

Engajamento vai além de ação sobre indicadores de performance

 

Engajamento vai um pouco além do envolvimento da pessoa com o seu conteúdo. Em um treinamento que eu elaborei para um cliente, eu costumo exemplificar usando a piramide abaixo para mostrar algumas das etapas e dos processos. Falei disso no post “Métricas, KPIs e Metas”, que também pode ser uma boa leitura complementar.

Abaixo, a piramide.
métricas-marketing-digital

Embora isso seja importante, vamos lembrar do contexto e de quem é a sua marca no ambiente digital. 

Entenda engajamento, pelo menos quando estivermos falando sobre o engajamento de pessoas com a mensagem da sua empresa no ambiente digital, como a compra da proposta de valor que a sua marca pretende transmitir.

O engajamento valoroso é aquele que você consegue fazer com que a pessoa gere determinada ação sobre o seu conteúdo, e que essa ação esteja alinhada não só com a proposta do conteúdo, mas com a mensagem e contexto de posicionamento de marca da sua atuação.

Se você foca só nos indicadores: curtidas, compartilhamentos e comentários, por exemplo, e esquece de analisar de maneira mais “refinada” cada um dos KPIs definidos, reportando assim apenas os números, pode ser que você esteja entregando resultados vaidosos para o seu cliente.

Eles importam, sim. Mas,  se feito de maneira isoladas ou extraídos de maneira desleixada, pode ser que você esteja perdendo muitas oportunidades de entender melhor, novamente, quem é a sua marca no ambiente digital e o que o seu consumidor está buscando quando está se engajando com a sua mensagem. Com o seu post.

Poderíamos discutir sobre este duelo por muitos e muitos parágrafos. No entanto, como sempre faço questão de enfatizar por aqui: quando se está no ambiente digital com foco em negócios, não existe receita de bolo: o que existe é muito planejamento, estudo e, principalmente, maturidade profissional sobre o entendimento dos objetivos estratégicos da marca antes de tudo. 


Digital não é ferramental: é cultural.

Se você leu até aqui, muito obrigado pela sua atenção e até o próximo conteúdo.

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: