Marketing Digital: quem aplica, erra. Quem não aplica, não erra.
Marketing Digital: quem aplica, erra. Quem não aplica, não erra.

Marketing Digital: quem aplica, erra. Quem não aplica, não erra.

Observação sobre o conteúdo: Esse texto faz parte de uma série de textos que publico no meu Linkedin, por isso ,se você me segue por lá é bem capaz qu...

Influenciadores Digitais: a audiência não é o mais importante
Social Media: a culpa não foi do ORKUT
O alcance orgânico do Facebook reduziu de novo?

Observação sobre o conteúdo:

Esse texto faz parte de uma série de textos que publico no meu Linkedin, por isso ,se você me segue por lá é bem capaz que já tenha lido. Resolvo, a partir de hoje trazer registrar essas reflexões por aqui, pois como nós bem sabemos, o conteúdo postado lá tem vida curta além de não ser realmente nosso.

É bem provável que esses textos também venham a virar pautas para o meu canal no YouTube.

A ideia é trabalhar textos mais curtos e diretos, provocando diálogos bem mais específicos sobre o nosso mercado da comunicação, especialmente o mercado da comunicação digital, mercado este ao qual estou inserido há pouco mais de 9 anos.

Quem aplica, erra. Não não aplica, não erra.

“Mas esse curso não dá certificado!”

Essa foi a frase que eu escutei, após indicar um curso para uma pessoa.

Vocês tem noção do quão prejudicial, e de como essa frase reflete no comportamento dos profissionais que estão entrando no mercado da comunicação digital, hoje em dia?

Existe uma busca por títulos, não por conhecimento de verdade.

O próprio CEO do Linkedin defende esse ponto de vista e também vê como um ponto de risco esse excesso de valorização sobre os títulos.

Os vários títulos que você carrega, sem a prática, a mão na massa,o pode até fazer com que o mercado te acolha mas, em pouco tempo, te abandone.

É só um papel…

E não digo sobre ser contratado, é sobre se manter no mercado.

Seja você empreendedor ou contratado: se você valoriza demais os seus títulos, está correndo sérios riscos de ser levado pela massa e cair em uma zona de conforto perigosa: a zona da segurança que acredita que um papel assinado te faz um bom profissional.

Que uma nota de faculdade te faz capacitado a encarar o mercado.

Estude, faça cursos, leia muito, muito mesmo, mas NUNCA, NUNCA negligencie a prática.

Como identificar isso?

Com a quantidade de vezes que você está errando.

Se você erra poucas vezes, está no caminho errado.

Quem aplica, erra. Não não aplica, não erra.

COMENTÁRIOS