Marketing de Conteúdo: A influência do cotidiano nas estratégias de conteúdo

Marketing de Conteúdo: A influência do cotidiano nas estratégias de conteúdo

No JobCast de hoje o tema, digamos, especial, é uma sugestão da Fernanda Silveste. Publiquei uma “enquete” no meu perfil pessoal no Facebook e, entre

Estratégia de marca pessoal em mídias sociais
As intenções sociais de um criativo para 2015
Startup (e outras): todas as ferramentas que você deve usar

No JobCast de hoje o tema, digamos, especial, é uma sugestão da Fernanda Silveste. Publiquei uma “enquete” no meu perfil pessoal no Facebook e, entre as 3 opções disponíveis, uma delas era gravar um vídeo sobre “Influência do Cotidiano nas estratégias de Marketing de Conteúdo.” E hoje, graças a nossa amiga Fernanda, vamos abordar um assunto de extrema importância e pouco discutido. Confiram no vídeo abaixo, um pouco da minha opinião sobre o assunto.

 



Muito se fala em marcas que sabem contar boas histórias, e na importância das estratégias baseadas no Storytelling, mas pouco se vê sendo aplicado.

Entendo que, mesmo parecendo algo simples, muitas vezes o ”contar histórias” é abordado de maneira mecânica e quase sempre tende a caminhar para uma mesma linha editorial no conteúdo: contar como a empresa surgiu e quem faz parte desse caminho. O que com certeza também é um excelente caminho para se iniciar uma estratégia de conteúdo baseado no Storytelling. Só que apenas isso, não basta.

Com um pouco mais de criatividade e pesquisa, podemos ir além. Devemos ir além. Afinal de contas, é exatamente este “ir além” que vai te diferenciar no mercado de produção de conteúdo.

Não existe receita de bolo quando se trabalha com Marketing de Conteúdo

Marketing de Conteúdo é algo novo e, enquanto o objetivo for produção de conteúdo como forma de contribuição para a rede, sempre será algo novo. E isso vale também para marcas. Aliás, cada vez mais as marcas precisam provar que estão dispostas a contribuir e ajudar os consumidores. O tal do mantra que você já deve ter escutado por aí sobre “marcas precisam gerar conteúdo relevante e de valor”.

E qual a melhor maneira de fazer isso? Produzindo conteúdo.

Enquanto o conteúdo for responsável por estabelecer conversas entre pessoas, será algo novo. As pessoas mudam. Não dá pra simplesmente apostar todas as estratégias de conteúdo em um funil e pronto. É preciso, repito, ir além como profissional.

Dividamos as pessoas em grupos sociais para facilitar. Esses grupo podem até ter um cotidianos parecidos, mas, nem por isso, deve-se ignorar o fato de que cada um reage de uma maneira diferente e consome, mesmo que em comunidade, o que melhor transmitirá a sua imagem ideal para o próximo. E o cotidiano de cada um é parte disso, dessa construção de imagem baseada na influência que o posicionamento das marcas nos impõem.

E, a menos que você more em um mosteiro no Tibet, não adianta dizer que você não é influenciado pelas marcas no seu cotidiano, porque, sim, você é. Bom, eu creio que até monges hoje em dia são passíveis de influência de alguma marca e posicionamento.

Prossigamos com o raciocínio sobre o cotidiano e o marketing de conteúdo…


O Marketing de Conteúdo, as Personas e o Cotidiano


A regra número 1 para quem trabalha com Marketing de Conteúdo, é: defina bem sua persona. Mas, cá pra nós, se você trabalha com Marketing de Conteúdo, entender e saber definir personas deixou de ser diferencial há muito tempo: é obrigação. Desconfie o profissional de conteúdo que não dá importância para as personas. No entanto, que tal irmos um pouco além da criação das personas, explorando um pouco das atividades mais específicas e do cotidiano dessas personas no mundo real?

E esse, creio eu, é o ponto chave na criação de estratégias de marketing de conteúdo: ir além das persona, executando uma análise mais criteriosa e criativa sobre o cotidiano de quem receberá o seu conteúdo. No vídeo eu sugiro um exercício que você mesmo pode fazer para exemplificar melhor como isso pode ser útil se trabalhado de maneira estratégia junto ao seu calendário e planejamento editorial.

A ligação do Marketing, do conteúdo e do cotidiano


Para finalizar o texto, gostaria de dizer que a única certeza que nós podemos ter sobre produção de conteúdo, é que o Marketing de Conteúdo estará sempre linkado com o nosso cotidiano. Com o cotidiano do nosso público… Bom, pelo menos deveria ser assim. Até compreendo que, na prática, a gente nem sempre tem autonomia suficiente para aplicar as teorias como deveriam ser aplicadas.  

Quando estamos falando de Marketing de Conteúdo, por mais que o assunto pareça algo que muitos dominam, a verdade, quase sempre, se mostra contrária: o que se faz hoje em dia, e isso não é culpa nem do profissional e nem muito menos do cliente, é que existe uma dificuldade na compreensão dos objetivos de cada ambiente e, muitas vezes o que acontece é uma adaptação prática da linguagem que foi estabelecida na comunicação da mídia de massa para o ambiente digital, em busca de retorno imediato, visando apenas o ROI. 

ROI é importante, CLARO. No entanto, quem quer só vender, acaba não vendendo. 


Se você leu até aqui, muito obrigado pela sua audiência e até o próximo conteúdo.

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: