Influência Digital não é serviço, é estratégia
Influência Digital não é serviço, é estratégia

Influência Digital não é serviço, é estratégia

Um dos erros mais comuns, na minha humilde opinião, quando o assunto é a mediação ou agenciamento de um Influenciador digital, é que isso tem sido tra...

A Morte do Social Media: só Facebook Marketing não é o ideal
Marketing Digital: garantia vs. metas
Clube da Permuta: estudante, quanto vale o seu tempo?

Um dos erros mais comuns, na minha humilde opinião, quando o assunto é a mediação ou agenciamento de um Influenciador digital, é que isso tem sido tratado de maneira ‘’empacotada’’ demais.

Tem sido tratado com um serviço, e não como estratégia.  Assistam o vídeo.


Tenham em mente, amigos, que os influenciadores digitais, como dito no primeiro episódio, são todas as pessoas com voz ativa na internet, por isso não devemos, de maneira alguma, tratar como mais um serviço possível dentro da sua comunicação.

Pensar em influenciadores como serviço é uma uma visão um pouco equivocada.

A mídia programática é um serviço, o agenciamento de mídia como um todo, pode ser tratado como um serviço, no entanto se estamos falando de influenciadores digitais, não estamos falando de um pacote de serviços; estamos falando de pessoas, narrativas e audiências.

Um belo conjunto de possibilidades estratégicas possíveis de serem exploradas na comunicação e no marketing empresarial.

Influenciadores, pensem além do mídia kit.

O mídia kit e os números são importantes, mas que tal começar a trabalhar uma mentalidade mais contextualizada com nichos e segmentos e os valores que o conteúdo do influenciador digital podem gerar para a empresa contratante?

Mesmo que esse influenciador digital, e aí, jogando um pouco de culpa pra cima deles mesmos, tenha um mídia kit bacana, ainda percebo que existe uma mentalidade com características bem “empacotadas“ na hora de se apresentar.

Pelo menos percebi isso em alguns mídia kits que já tive acesso antes de validar. É tudo muito novo, por isso não estou aqui pra dizer o que é certo ou errado.


Influenciadores digitais devem ser considerados parte da estratégia de comunicação, e não um serviço contratado para suprir um espaço na comunicação.

Talvez a dica deste episódio seja realmente até mais direcionada para as próprias pessoas que estão atuando como influenciadores digitais.

Pensando além dos números

Por intermédio da agência, acabo recebendo algumas propostas e mídia kits de alguns influenciadores digitais bem interessantes e muito bem organizados, mas, muitos ainda têm uma visão apenas sobre a influência “Plataformizada“ dos números.

Os números são importantes, claro, muito importantes, no entanto, talvez, seja legal o influenciador ou o agenciador desse cara tentar explorar um pouco mais o lado contextualizado do que ele tem a oferecer junto a empresa, e não apenas manda números frios.

Repito: os números são importantes. Uma boa audiência já é meio caminho andado para ambas as partes: para o cara que quer ser inserido nas estratégias de marca de alguma empresa e, claro, para que a empresa tenha visibilidade sobre a voz que a mensagem do influenciador contratado trará.

Bom, todo esse conteúdo está longe de ser algo que eu julgue certo ou errado, como disse alguns parágrafos acima.

Esse texto é apenas a minha visão sobre como os influenciadores digitais devem ser tratados dentro de um contexto comercial.

Depois de defender de várias maneiras que uma boa estratégia de influenciadores será pautada, principalmente, pela transparência e pelo tom de voz genuíno daquele influenciador, resolvi que seria interessante abordar essa diferença entre estratégia e serviço.

Os influenciadores vieram para ficar

Os influenciadores vieram para ficar, mas vão precisar se reinventar constantemente

 O uso de influenciadores digitais dentro das estratégias de comunicação e marketing das marcas é algo que veio para ficar.

É possível que passemos por mudanças de termos, de relevância ou até mesmo de um possível esquecimento, assim como muitas outras estratégias que surgem no ambiente digital.

No entanto, tenho pra mim que esses caras, ditos influenciadores digitais, ainda vão dar o que falar.

Muitos vão surgir, muitos vão desaparecer. Mas o uso de pessoas com audiências específicas sempre serão bem vindas aos olhos de uma comunicação que visa influenciar pessoas.

Afinal de contas, ainda é tudo sobre estratégias em um ambiente digital que crescer dentro de redes sociais.

Eu vou ficando por aqui, espero que tenha gostado desse episódio, muito obrigado pela sua atenção e até o próximo conteúdo.

 

COMENTÁRIOS