Aplicando o ciclo OODA na sua startup

Aplicando o ciclo OODA na sua startup

Olá, tudo bem? Lembra que a gente começou a conversar  sobre a origem do cliclo OODA? Agora vamos ver como cada etapa funciona. Entendendo a ferram

Ilustrador nos convida a refletir sobre nossas atitudes
Inteligência do consumidor na era do marketing digital
Os dados sociais a serviço do marketing

Olá, tudo bem?

Lembra que a gente começou a conversar  sobre a origem do cliclo OODA? Agora vamos ver como cada etapa funciona.

Entendendo a ferramenta

O OODA descreve um ciclo de decisão de quatro pontos que suporta a tomada de decisão rápida, eficaz e proativa. Os quatro estágios são:

  1. Observar – recolher o máximo de informações possíveis;
  2. Orientar – analisar essas informações e usá-las para guiar suas ações;
  3. Decidir – determinar um curso de ação;
  4. Agir – autoexplicativo, né? O.o

Não se esqueça de que isso é um ciclo, ao final do estágio 4 você irá avaliar tudo o que deu certo e voltar ao estágio 1. Afinal, espera-se que suas ações tenham modificado o cenário de atuação

A Figura 1 abaixo mostra a sequência OODA:

ciclo-ooda
Vamos olhar mais de perto cada fase:

Fase 1. Observar

Neste ponto, você deve estar o mais atento possível para novas informações e precisa estar ciente do que acontece interna e externamente na sua startup. Quanto mais informações puder reunir aqui, mais precisa será a sua percepção. Como um piloto de F-86 com um amplo campo de visão, você quer capturar o máximo de dados possíveis. Para tanto, é muito importante que você tenha na ponta da língua as respostas para essas perguntas:

  • Quais fatores externos estão acontecendo que podem afetar a minha startup?
  • O que está acontecendo que pode ter efeitos residuais mais tarde?
  • Minha previsões são precisas?
  • Há alguma área onde a previsão e a realidade diferem significativamente?

Fase 2. Orientar

Um dos principais problemas com a tomada de decisão vem na fase dois: todos nós temos o costume de observar a situação de forma filtrada, através de nossas próprias experiências e percepções. Boyd identificou cinco principais influências:

  1. Tradições culturais;
  2. Carga genética;
  3. A capacidade de analisar e sintetizar;
  4. Experiência anterior;
  5. Entrada de novas informações.

Orientação é essencialmente como você interpreta uma situação. Isto leva diretamente para a sua decisão.

Fase 3. Decidir

As decisões são fruto dos seus melhores palpites, baseadas nas observações que você fez e a orientação que está usando. Elas devem ser consideradas como trabalhos em andamento. Se estiver executando seu ciclo OODA,  novas sugestões e ideias continuarão chegando ininterruptamente, e podem desencadear alterações em suas decisões e ações – essencialmente, estará aprendendo como continuar a percorrer as etapas.

Os resultados da sua aprendizagem são trazidos durante a fase 2, que por sua vez, influencia o resto do processo de tomada de decisão.

Fase 4. Agir

Aqui é aonde acontece a po#$% toda você implementará sua decisão e irá se preparar para voltar à fase 1, nutrido dos efeitos das ações deste ciclo. Este estágio irá influenciar todo o resto do ciclo, mas, lembre-se, é MUITO importante que você avalie e aprenda com seus erros (e da concorrência).

Usando o modelo

O ciclo OODA não deve ser estático, linear. Ele precisa ser um processo contínuo  e maleável. Com esta abordagem, você terá mais agilidade para mover-se através de cada estágio. Se apegar mais ao processo no lugar dos objetivos fará com que sua velocidade na tomada de decisões reduza ao invés de acelerar.

O objetivo do modelo é aumentar a velocidade com que você orienta e reorienta seu projeto, com base em novas informações ao decorrer do processo.

Assim você terá uma transição suave e natural entre o que é observado, o que é interpreta e o que será feito a respeito.

Fazendo essas transições rapidamente, você estará em uma posição mais proativa (assim como os pilotos dos F-86 Sabres de “Mad Major”, lembra?), e você poderá aproveitar oportunidades que seus concorrentes ainda nem viram.

Boyd chama isso de “operar dentro do ciclo OODA de seu oponente”. Aqui, o seu concorrente/oponente está se movendo muito lentamente e apenas tem tempo de reagir às mudanças ambientais. Por outro lado, você está trabalhando para a ofensiva, prevendo o cenário e obtendo resultados positivos.

E aí, já está motivado a começar seu ciclo OODA? Não se esqueça de comentar o que achou deste texto, bem como fazer perguntas. Vamos crescer juntos!

COMMENTS

WORDPRESS: 4
  • comment-avatar
  • comment-avatar
  • comment-avatar
  • comment-avatar

    Aplicando o ciclo OODA na sua startup – https://t.co/niuhBMao2C #contentmarketing #marketingdigital

  • DISQUS: